Pular para o conteúdo principal

Dará.

A eliminação errônea de substâncias tóxicas em todo o Brasil, tornou-se pauta obrigatória no jornalismo cotidiano no nosso país. Em novembro do ano passado, uma substância tóxica por contaminação de partículas de minério de ferro, residual da exploração feita pela empresa Samarco em Minas Gerais, poluiu o Rio Doce a partir de sua passagem por arredores do Distrito de Bento Gonçalves, até sua foz no município de Linhares, mais precisamente em Regência, área naturalmente de mangue e curiosamente um dos lugares de maior qualidade para a pratica de um esporte agora em voga no nosso país: o surf. A barragem contendo restos de exploração pela Samarco se rompeu fazendo extravazar milhões de metros cúbicos em direção a um vale, onde fica o distrito de Bento Gonçalves, chegando em sequência ao leito de rios que acabaram por levar a lama até o Rio Doce, e na sequência até ao Atlântico. Mariana, MG e Colatina e Linhares foram duramente afetados economicamente, pela paralização das atividades da empresa Samarco, e também pela contaminação da água que abastece populações ribeirinhas. No total, 17 pessoas morreram e foram encontradas, o que não aconteceu com duas desaparecidas até os dias atuais. Centenas foram deslocadas abruptamente de suas casas. E assim a fauna e a flora local indo até a foz do Rio Doce foram afetadas por essa cauda pesada que turvou e desoxigenou a água do Rio Doce. Já em Vicente de Carvalho, no município paulista do Guarujá, São Paulo, o contato da água da chuva com containers da empresa Local Frio S.A, contendo dicloroisocianerato de sódio, e usado em limpezas de piscinas, produziu na semana passada uma densa nuvem da fumaça causada pela reação do produto químico com a água da chuva. Poluiu o ar do município, comprometendo a respiração das pessoas moradoras ao redor do porto. mais uma vez um erro de condicionamento de substâncias químicas. E em um crônico caso, no Espírito Santo, a empresa Arcelor Mittal está sendo considerada a pagar uma multa que deverá ser reajustada em decorrência da poluição dos municípios da Grande Vitória com resíduos da cabotagem do minério de ferro em uma área próxima a cidade de Vitória, local esse que é vizinho da Praia de Camburi. Com medidores a Prefeitura de Vitória chega a conclusão que a poluição costuma superar em quatorze estações em no mínimo 25%, chegando em alguns casos em dobrar. O próprio prefeito de Vitória Luciano Rezende acha o valor de cerca de 70 mil reais por estação pequeno, valor esse sem reajuste desde 1998. São três grandes eventos gerados pelo primeiro e segundo setor, respectivamente exploração e transformação, uma das marcas mais profundas do desenvolvimento brasileiro. Fornecemos exportando matérias primas para vários países e costumamos deixar nossos quintais 'a Deus dará'.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nu

Viver é estar nu no inferno. Estrela solitária. Aqui a doença da alma chega de uma forma direta.Não existe código de ética, e isso é o inferno. Quantas vezes reclamaste por haver muitas regras, muito silêncio? Pois aqui, vale tudo. De onde vem as regras? Da violência, da falta de respeito? Imagino que sim. Talvez também da falta de coerência em sermos um país. Aqui a violência da separação nos une, aqui o indivíduo prevalece sobre o coletivo, a partir da idade, da raça, do gênero; nunca somos. Nunca somos humanos, aqui ninguém tem vez, a não ser no caso de você ser um velho, um negro, ou uma mulher. Talvez um transexual. Separam-nos para comandar esse presépio. Imagina que muito além de golpe, de corrupção financeira, existe uma estratégia para perdurar: a estratégia do domínio sobre uma massa que coitada, tem intelecto, mas muito problema também. Aí inventam separar-nos para assim pleitearmos direitos, mas dessa forma sem que percebamos deixamos de ser país. Os valores que perpetuam …

Enxergar além da trincheira.

Se tem uma coerência no discurso do 'boss', o que é de uma distância entre a palavra é o real, é que ele não foi vítima de pilantras, ele foi sim, desinformado sobre a movimentação financeira de suas campanhas e de sua sucessora. Ele também, embevecido por sua humildade peculiar, não iria jamais roubar um apartamento inteiro. As pálpebras impediam, depois de certo tempo, se enxergar as reais quantias que corriam nos rios a sua volta. Sem mais. A verdade pode ser está. Lula não teria tempo e capacidade intelectual, ou teria, de gerenciamento doseu partido. Por outro lado ele apareceu para essa nova safra de advogados, economistas, e gerentes do partido, como uma lebre de ouro ou algo parecido pelo seu valor incalculável que mesmo as crises, não desvaloriza, com o perdão da palavra. Talvez o único próximo a ele que teria a 'maledicência' do capitalismo predatório seria seu filho, coisa comum aos filhos dessa geração do Gerson, Garrincha e Pelé, aliás, este também punido…

Sem dar nome aos bois

Nada tão real hoje quanto a ideia de que um filho pode prejudicar a trajetória do pai. Acha conservador? Tudo bem, a reputação do pai certamente influenciou no fiho. Donald Trump está em maus lençóis nos EUA, por tentar por 'panos-quentes' na relação com a Rússia. Ontem o congresso americano votou sanções contra a Rússia, o Irá e a Coréia do Norte, seus maiores desafetos declarados, muito por esses países desenvolverem energia atômica para fins militares. A Rússia, principal potência da ex-URSS, inimiga antagônicas por sistema e cultura dos EUA, tem contra si a acusação de ter influenciado politicamente nas eleições americanas. O fato é que foi a partir do filho do presidente americano que o grande boato se deu, quando em suas relações empresariais burguesas, o filho recebeu uma proposta de um produtor musical russo, de aceitar um documento que denegrir a imagem de Hillary Clinton. É a tal falada questão dos e-mails, que agora o Trump tenta sensatamente ponderar com o congres…