Pular para o conteúdo principal

Dará.

A eliminação errônea de substâncias tóxicas em todo o Brasil, tornou-se pauta obrigatória no jornalismo cotidiano no nosso país. Em novembro do ano passado, uma substância tóxica por contaminação de partículas de minério de ferro, residual da exploração feita pela empresa Samarco em Minas Gerais, poluiu o Rio Doce a partir de sua passagem por arredores do Distrito de Bento Gonçalves, até sua foz no município de Linhares, mais precisamente em Regência, área naturalmente de mangue e curiosamente um dos lugares de maior qualidade para a pratica de um esporte agora em voga no nosso país: o surf. A barragem contendo restos de exploração pela Samarco se rompeu fazendo extravazar milhões de metros cúbicos em direção a um vale, onde fica o distrito de Bento Gonçalves, chegando em sequência ao leito de rios que acabaram por levar a lama até o Rio Doce, e na sequência até ao Atlântico. Mariana, MG e Colatina e Linhares foram duramente afetados economicamente, pela paralização das atividades da empresa Samarco, e também pela contaminação da água que abastece populações ribeirinhas. No total, 17 pessoas morreram e foram encontradas, o que não aconteceu com duas desaparecidas até os dias atuais. Centenas foram deslocadas abruptamente de suas casas. E assim a fauna e a flora local indo até a foz do Rio Doce foram afetadas por essa cauda pesada que turvou e desoxigenou a água do Rio Doce. Já em Vicente de Carvalho, no município paulista do Guarujá, São Paulo, o contato da água da chuva com containers da empresa Local Frio S.A, contendo dicloroisocianerato de sódio, e usado em limpezas de piscinas, produziu na semana passada uma densa nuvem da fumaça causada pela reação do produto químico com a água da chuva. Poluiu o ar do município, comprometendo a respiração das pessoas moradoras ao redor do porto. mais uma vez um erro de condicionamento de substâncias químicas. E em um crônico caso, no Espírito Santo, a empresa Arcelor Mittal está sendo considerada a pagar uma multa que deverá ser reajustada em decorrência da poluição dos municípios da Grande Vitória com resíduos da cabotagem do minério de ferro em uma área próxima a cidade de Vitória, local esse que é vizinho da Praia de Camburi. Com medidores a Prefeitura de Vitória chega a conclusão que a poluição costuma superar em quatorze estações em no mínimo 25%, chegando em alguns casos em dobrar. O próprio prefeito de Vitória Luciano Rezende acha o valor de cerca de 70 mil reais por estação pequeno, valor esse sem reajuste desde 1998. São três grandes eventos gerados pelo primeiro e segundo setor, respectivamente exploração e transformação, uma das marcas mais profundas do desenvolvimento brasileiro. Fornecemos exportando matérias primas para vários países e costumamos deixar nossos quintais 'a Deus dará'.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Escuta!

A arte de escutar Muitos de nós ao encontrar alguém, um conhecido, como maneira de demonstrar empolgação, fechamos nosso canal de áudio, e partimos para a emissão. Isso ao contrário do que se pensa, gera um bloqueio, à princípio. O cumprimento é essencial, e ouvir em um segundo momento também. Ouvindo, estamos disponíveis, dispostos a encontrar no outro a sintonia que vai levar esse encontro a gerar para nós o espaço de interação em determinado assunto que, sinceramente, estamos interessados em debater. Debater no sentido de aprofundamento. A escuta interna - Como é difícil, como é fácil. Tá aqui dentro da gente, mas como aí sintonizar uma estação no rádio, requer uma afinidade com o nosso 'aparelho’. E para nós ouvirmos, precisamos de silêncio! É aquele momento que 'alone’, percorremos nosso 'quintal’, quase ao anoitecer. Olha que imagem fantástica: aquele espaço que acredito ser só meu, onde de olhos fechados eu posso afirmar onde ficam as rosas da vó e a mangueira no me…

Estética

Os limites entre estética e saúde. Estética e saúde estão certamente há tempo, em uma mesma direção, mas hoje concorrem em sentido O que é visto pode ser cada vez mais alterado, contudo, com uma frequência cada vez maior, o que compromete o interior do corpo humano. Essas são constatações limites, mas que geram o comprometimento da vida, a partir mesmo de pequenas insatisfações, e sequentes correções. Com mais de 30 anos de plásticas no corpo, sobretudo no rosto, enxertos, aplicação de substâncias que alteram a forma do corpo e a utilização de 'peças’ que modificam o funcionamento dos órgãos, a própria cultura de mulheres mais que de homens já se modificou a tal ponto que alteraram também a forma como os adultos abordam esteticamente a criança. Basta observar a publicidade, os brinquedos, a orientação dos desejos. Na busca por autonomia de vida, domínio da forma e, do crescimento social acelerado, sobretudo artistas, espelham iniciativas que artificialismo as mulheres - como máxi…

Manejar

Apego a dor Todos nós temos facilidade em amar. Não é assim.Temos disponibilidade em nos apegar. Talvez sim. As guerras que vive o soldado, sobretudo as externas, pois essas serão nosso foco, tem um poder paradoxal. Elas nos desgastam e também tem o poder de nos embevecer.. Sofremos pelo excesso de sinceridade conosco São guerras pesadas, em vezes muito sérias, tanto pelo estrago que podem causar, mas também pelo apego ao que nós podemos ser lançados. Existem situações em que não devemos entrar, seja pela gravidade, por que estamos no limite, e assim sendo, são péssimas escolhas. Saber escolher o inimigo é uma arte, já disse Frejat, em um música, “...sou eu que escolho e faço os meus inimigos. .”. Essa máxima vale para os dois lados do 'front’, e guerreiro que se presa, usa da compaixão, consigo e com o outro.