Pular para o conteúdo principal

Escafandro

Estamos ficando cada vez mais obcecados pelos nossos objetivos? Ficando cada vez mais egoístas? E essa intenção de afinar cada vez mais o foco, está nos afastando do mundo ou, curiosamente, nos tornando mais vulnerável ao que nos circunda? Tudo nos afeta? Estamos nos infantilizando, pirracento, e de certa forma 'cegos'? Sendo mais seletivos por que mais exigentes com nossas metas? Vamos seguir pela hipótese de que tudo nos afete, todo tempo. E sendo assim, de um momento para o outro, algo desande. Solitudes frágeis Vivemos sós, nessa empreitada de levar nossa empresa pessoal adiante, é mesmo em família, somos individuais ao extremo, as ações tendem a serem vistas como um marketing de excelência. Conectados com muitos mudando de expectativas constantemente, não encontramos em conhecidos um feedback para nossas ânsias. É um fato, não temos uma noção real do que o outro vive, estamos a tatear por pequenas sensações o que realmente ocorre ao redor. Feedback Compramos problemas coletivos, deixamos de ser mais práticos, e lidamos com uma fluidez bizarra com o que nos realmente nos circunda fisicamente. Ou não? Dê certo que para eu poder escrever sobre um problema que atinge muitos, devo me colocar como representante de um coletivo. O que me garante que esses problemas não são apenas meus? Observo uns e outros em meu feed de notícias em uma rede social. E percebi que sem saber, ao que me parece, uns são respostas à perguntas de outros, mas dificilmente esse elo é concluído. Ele se conclui na minha percepção. Sincronicidade Com uma certa frequência, de tempos em tempos, ciclicamente para mim, consigo fazer meu pensamento ‘caminhar’. E vejo isso como uma determinante pessoal mas também com uma sincronicidade ao redor. É como se uma porta se abrisse para uma comunicação que quer se estabelecer. Isso, curiosamente fixa mais explícito no meio virtual, talvez por que a escrita demanda um maior risco e consequência, dando passos maiores em uma subjetividade. Deveríamos nos embriagado mais com o presente, seja ele virtual ou físico, que é o verdadeiro fio da meada? Sim, é cabível esse receio, mas certamente atendendo ao que o outro fala teríamos um repertório maior para bailar no inesperado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nu

Viver é estar nu no inferno. Estrela solitária. Aqui a doença da alma chega de uma forma direta.Não existe código de ética, e isso é o inferno. Quantas vezes reclamaste por haver muitas regras, muito silêncio? Pois aqui, vale tudo. De onde vem as regras? Da violência, da falta de respeito? Imagino que sim. Talvez também da falta de coerência em sermos um país. Aqui a violência da separação nos une, aqui o indivíduo prevalece sobre o coletivo, a partir da idade, da raça, do gênero; nunca somos. Nunca somos humanos, aqui ninguém tem vez, a não ser no caso de você ser um velho, um negro, ou uma mulher. Talvez um transexual. Separam-nos para comandar esse presépio. Imagina que muito além de golpe, de corrupção financeira, existe uma estratégia para perdurar: a estratégia do domínio sobre uma massa que coitada, tem intelecto, mas muito problema também. Aí inventam separar-nos para assim pleitearmos direitos, mas dessa forma sem que percebamos deixamos de ser país. Os valores que perpetuam …

Enxergar além da trincheira.

Se tem uma coerência no discurso do 'boss', o que é de uma distância entre a palavra é o real, é que ele não foi vítima de pilantras, ele foi sim, desinformado sobre a movimentação financeira de suas campanhas e de sua sucessora. Ele também, embevecido por sua humildade peculiar, não iria jamais roubar um apartamento inteiro. As pálpebras impediam, depois de certo tempo, se enxergar as reais quantias que corriam nos rios a sua volta. Sem mais. A verdade pode ser está. Lula não teria tempo e capacidade intelectual, ou teria, de gerenciamento doseu partido. Por outro lado ele apareceu para essa nova safra de advogados, economistas, e gerentes do partido, como uma lebre de ouro ou algo parecido pelo seu valor incalculável que mesmo as crises, não desvaloriza, com o perdão da palavra. Talvez o único próximo a ele que teria a 'maledicência' do capitalismo predatório seria seu filho, coisa comum aos filhos dessa geração do Gerson, Garrincha e Pelé, aliás, este também punido…

Sem dar nome aos bois

Nada tão real hoje quanto a ideia de que um filho pode prejudicar a trajetória do pai. Acha conservador? Tudo bem, a reputação do pai certamente influenciou no fiho. Donald Trump está em maus lençóis nos EUA, por tentar por 'panos-quentes' na relação com a Rússia. Ontem o congresso americano votou sanções contra a Rússia, o Irá e a Coréia do Norte, seus maiores desafetos declarados, muito por esses países desenvolverem energia atômica para fins militares. A Rússia, principal potência da ex-URSS, inimiga antagônicas por sistema e cultura dos EUA, tem contra si a acusação de ter influenciado politicamente nas eleições americanas. O fato é que foi a partir do filho do presidente americano que o grande boato se deu, quando em suas relações empresariais burguesas, o filho recebeu uma proposta de um produtor musical russo, de aceitar um documento que denegrir a imagem de Hillary Clinton. É a tal falada questão dos e-mails, que agora o Trump tenta sensatamente ponderar com o congres…