Pular para o conteúdo principal

Agora, vai.

Agora vai A vida, o sonho, o hábito, o rio-tempo, o fundo-real. A sorte. Ela é esse eterno, pra não dizer o constante ‘agora vai’. É um eterno sonhar, onde quer que se enxergue o tempo desse sonho. Dele vem a imagem-lembrança de um amigo que se distanciou, da sua família, de possíveis conflitos. Ou de uma lembrança recente, de algo que nos chamou a atenção na tela de led, imagens oníricas de um futuro desejado talvez. Ou ele é isso mesmo, a mistura dos dois, o que somos e o que gostaríamos de viver, nos desprender do passado e ver nosso barco saindo lentamente do cais, mas constante. Ela traz essa sensação de repetição, assim como as noites, os dias, as refeições, as idas ao banheiro, a padaria, a banca de jornal, ao cigarro, ao remendo do furo do pneu da bicicleta. Se existe uma grande vantagem em ‘levar a vida’ a dois, é a de perceber calmamente, no geral, a passagem dos dias. Tudo se torna um hábito. Fico a observar discretamente os mais velhos e vejo neles essa sabedoria de deixar-se viver o tempo. A vontade de ter, de ser aventureiro, fugaz, com o tempo deve se esvair, mas não assim tão fácil. Para podermos nos dar o luxo de ‘levitar’ no tempo, devemos nos agarrar ao fundo do rio, segurar o que tiver: areia, algas, e torcer para que nenhum tronco acerte a cabeça. Isso, o tempo é a esfinge para a qual nos olhos não devemos olhar. O tempo é o sol. Como se fossemos peixes nadando contra a correnteza que nos levará ao mar, devemos fazer com o nosso peito uma ventosa para manter os pensamentos no chão. Então o que seria a sorte nessa passagem do tempo? ‘Agora vai’, entendi: a sorte é conseguir o que se quer; a conspiração do universo a favor. ‘O ser humano se acostuma a tudo’, disse ele, um pequeno grande amigo. Uma sentença para aquela noite de boemia, um trunfo, um desafio a ser perseguido, um segredo a ser revelado pra própria trajetória. Querer mudar, querer evoluir financeiramente, pessoalmente, requer uma prática tão constante quanto à rotina. É um querer tornar-se, uma fase provisória rumo a outro lugar, ou a outro modo de vida, mais criativo, mais saudável, sempre geralmente rico. Uma das coisas que mais me entristecem não é a queda ‘punk’, mas a solidão do que chamamos de disciplina e respeito. Essa ‘prova dos nove’, onde todos parecem ‘fazer sentido’, menos o seu sujeito, angustia a alma, e suscita uma pergunta: o que estou esperando? ‘Agora vai’, entendi: fazer sentido significa ser. Ser, segundo sua ‘lei’, sua vontade, “Estou aqui por que quero”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nu

Viver é estar nu no inferno. Estrela solitária. Aqui a doença da alma chega de uma forma direta.Não existe código de ética, e isso é o inferno. Quantas vezes reclamaste por haver muitas regras, muito silêncio? Pois aqui, vale tudo. De onde vem as regras? Da violência, da falta de respeito? Imagino que sim. Talvez também da falta de coerência em sermos um país. Aqui a violência da separação nos une, aqui o indivíduo prevalece sobre o coletivo, a partir da idade, da raça, do gênero; nunca somos. Nunca somos humanos, aqui ninguém tem vez, a não ser no caso de você ser um velho, um negro, ou uma mulher. Talvez um transexual. Separam-nos para comandar esse presépio. Imagina que muito além de golpe, de corrupção financeira, existe uma estratégia para perdurar: a estratégia do domínio sobre uma massa que coitada, tem intelecto, mas muito problema também. Aí inventam separar-nos para assim pleitearmos direitos, mas dessa forma sem que percebamos deixamos de ser país. Os valores que perpetuam …

Enxergar além da trincheira.

Se tem uma coerência no discurso do 'boss', o que é de uma distância entre a palavra é o real, é que ele não foi vítima de pilantras, ele foi sim, desinformado sobre a movimentação financeira de suas campanhas e de sua sucessora. Ele também, embevecido por sua humildade peculiar, não iria jamais roubar um apartamento inteiro. As pálpebras impediam, depois de certo tempo, se enxergar as reais quantias que corriam nos rios a sua volta. Sem mais. A verdade pode ser está. Lula não teria tempo e capacidade intelectual, ou teria, de gerenciamento doseu partido. Por outro lado ele apareceu para essa nova safra de advogados, economistas, e gerentes do partido, como uma lebre de ouro ou algo parecido pelo seu valor incalculável que mesmo as crises, não desvaloriza, com o perdão da palavra. Talvez o único próximo a ele que teria a 'maledicência' do capitalismo predatório seria seu filho, coisa comum aos filhos dessa geração do Gerson, Garrincha e Pelé, aliás, este também punido…

Sem dar nome aos bois

Nada tão real hoje quanto a ideia de que um filho pode prejudicar a trajetória do pai. Acha conservador? Tudo bem, a reputação do pai certamente influenciou no fiho. Donald Trump está em maus lençóis nos EUA, por tentar por 'panos-quentes' na relação com a Rússia. Ontem o congresso americano votou sanções contra a Rússia, o Irá e a Coréia do Norte, seus maiores desafetos declarados, muito por esses países desenvolverem energia atômica para fins militares. A Rússia, principal potência da ex-URSS, inimiga antagônicas por sistema e cultura dos EUA, tem contra si a acusação de ter influenciado politicamente nas eleições americanas. O fato é que foi a partir do filho do presidente americano que o grande boato se deu, quando em suas relações empresariais burguesas, o filho recebeu uma proposta de um produtor musical russo, de aceitar um documento que denegrir a imagem de Hillary Clinton. É a tal falada questão dos e-mails, que agora o Trump tenta sensatamente ponderar com o congres…