Pular para o conteúdo principal

Sonho (parte 1 e 2)

Sonho real. E um tigre pequeno apareceu de novo. Peguei-o, com o devido cuidado, segurando sua pata e ele arisco, quis fugir das minhas garras. Busquei um espaço natural, fazendo jus a sua natureza e soltei-o, e ele não mais que de repente saiu em retirada, pulando no parapeito de madeira rústica marrom escura, e se lançando num vazio de oito metros, sendo quase amortecido por um galho daquela palmeira e depois, amaciando-se na grama. Pareceu-me uma cena idílica, mas foi ela que me ateve durante aquele breve contato com aquela localidade, um espaço de férias, mas com alguns problemas estruturais. As ruas estavam enlameadas, os lugares -terrenos murados- tinham mato alto, e a sinalização de ruas não existia. No meio de tantos casais, quartos e lama, toda a história começou com um grupo de moleques querendo roubar um caminhão pequeno, vermelho. Rápido fui a avisar ao velhote o anseio daquele grupelho e depois de desviar de uma pedra mal tacada, lá foi ele evitar que o moleque de seus quase 12 anos ligasse a caminhoneta. Mais tarde um pessoal, que dormiria em uma barraca, de camping, chamou-me a refletir sobre o descompasso do real, facas versus nylon, e ninguém estaria ali pra avisar. A vida seguindo. E eu seguindo um amigo que acompanhado me levava para conhecer o local onde estava, e carregando um cabo, vim a me enrolar e a perdê-los de vista, quando seu pai a pareceu e me disse em bom tom e em uma linguagem próxima do inglês, o qual retruquei com um “dá pra falar em português?” e ele rebateu com uma risada. Jogou a guimba de cigarro no terreno próximo a calçada que andávamos e retrucou seu próprio desmazelo. “Não deveria ter jogado essa guimba aqui.” Então comecei a contar a história do pequeno tigre de bengala. Isso, ele era branco e cinza. Esse sonho deve ter me ocorrido por que debatera rapidamente com minha mãe sobre punição para crimes cometidos por adolescentes, sobre a lei que proteja esses quase seres de irem direto pra cadeia, mesmo em caso de crimes hediondos, ou relacionados com porte de arma. Julgava que há sim, uma dificuldade da sociedade em se posicionar frente a essa causa e que em contraponto, eu, achava então, que deveria haver rigidez, uma prisão adulta pra adolescentes, mas que pessoas mais velhas sendo corruptas, deveriam ser penalizadas sem direito a regalias, sem inclusive o chamado ‘réu primário’. E após acordar. Um sopro de reflexão tocou minha cabeça. Meu sonho era recheado de pessoas, de casas de diferentes tipos e sobretudo de todas as idades. Então essa seria nossa nova ordem mundial. Convivência misturada e irrestrita de todos com todos, cada qual em sua individualidade e na ‘tal’ busca pelo convívio social. Acordar em sonho, acordar dormindo, dormir ouvindo rádio, andar ouvindo rádio, assistir televisão ouvindo pássaros, ouvir pássaros dormindo. O que é a vida, esperar pelo paralelo ou subvertê-lo? Construir o caminho ou caminhar a esmo? Desejar ou aceitar o desejo do que é maior indelével? Sonho, sonho, e caminho errando, errado pra quê? Ah, essa vida que nos oferece o dia e a noite e nos oferece o entre - hábito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nu

Viver é estar nu no inferno. Estrela solitária. Aqui a doença da alma chega de uma forma direta.Não existe código de ética, e isso é o inferno. Quantas vezes reclamaste por haver muitas regras, muito silêncio? Pois aqui, vale tudo. De onde vem as regras? Da violência, da falta de respeito? Imagino que sim. Talvez também da falta de coerência em sermos um país. Aqui a violência da separação nos une, aqui o indivíduo prevalece sobre o coletivo, a partir da idade, da raça, do gênero; nunca somos. Nunca somos humanos, aqui ninguém tem vez, a não ser no caso de você ser um velho, um negro, ou uma mulher. Talvez um transexual. Separam-nos para comandar esse presépio. Imagina que muito além de golpe, de corrupção financeira, existe uma estratégia para perdurar: a estratégia do domínio sobre uma massa que coitada, tem intelecto, mas muito problema também. Aí inventam separar-nos para assim pleitearmos direitos, mas dessa forma sem que percebamos deixamos de ser país. Os valores que perpetuam …

Enxergar além da trincheira.

Se tem uma coerência no discurso do 'boss', o que é de uma distância entre a palavra é o real, é que ele não foi vítima de pilantras, ele foi sim, desinformado sobre a movimentação financeira de suas campanhas e de sua sucessora. Ele também, embevecido por sua humildade peculiar, não iria jamais roubar um apartamento inteiro. As pálpebras impediam, depois de certo tempo, se enxergar as reais quantias que corriam nos rios a sua volta. Sem mais. A verdade pode ser está. Lula não teria tempo e capacidade intelectual, ou teria, de gerenciamento doseu partido. Por outro lado ele apareceu para essa nova safra de advogados, economistas, e gerentes do partido, como uma lebre de ouro ou algo parecido pelo seu valor incalculável que mesmo as crises, não desvaloriza, com o perdão da palavra. Talvez o único próximo a ele que teria a 'maledicência' do capitalismo predatório seria seu filho, coisa comum aos filhos dessa geração do Gerson, Garrincha e Pelé, aliás, este também punido…

Sem dar nome aos bois

Nada tão real hoje quanto a ideia de que um filho pode prejudicar a trajetória do pai. Acha conservador? Tudo bem, a reputação do pai certamente influenciou no fiho. Donald Trump está em maus lençóis nos EUA, por tentar por 'panos-quentes' na relação com a Rússia. Ontem o congresso americano votou sanções contra a Rússia, o Irá e a Coréia do Norte, seus maiores desafetos declarados, muito por esses países desenvolverem energia atômica para fins militares. A Rússia, principal potência da ex-URSS, inimiga antagônicas por sistema e cultura dos EUA, tem contra si a acusação de ter influenciado politicamente nas eleições americanas. O fato é que foi a partir do filho do presidente americano que o grande boato se deu, quando em suas relações empresariais burguesas, o filho recebeu uma proposta de um produtor musical russo, de aceitar um documento que denegrir a imagem de Hillary Clinton. É a tal falada questão dos e-mails, que agora o Trump tenta sensatamente ponderar com o congres…