Pular para o conteúdo principal

Infância

O livro da besta-fera I – O mundo é um bairro (ou General Lee) - Olha o passarinho! Pronto era ouvir essa frase e remeter meus olhos pra árvore. Desde meu nascimento minhas principais lembranças foram com essa frase dita pela minha mãe, até por que dos três, tive e tenho o maior número de fotos, recordações da minha infância. O olhar atento das vizinhas, que revezavam para tomarem conta de mim, quando não era eu que ia pra casa enorme delas, era recorrente também. Depois o cheiro de churrasco, os jogos do Flamengo, as batidas de carros na avenida, o grito de ‘pega ladrão!’,...não foram poucos, sem falar das viagens, pra Santa Tereza, no interior do Espírito Santo – onde nasci e de onde vos escrevo – para o Rio de janeiro: madrinha e padrinho, para Brasília: tios e prima, foi assim minha infância até os dez anos. Fim do primeiro ciclo, aquele em que não se deve fazer nada a não ser observar atento os detalhes do piso, azulejos, os pêlos do primeiro cão, a roupa da empregada, caminhão de lixo, pé de pitanga, codornas, o cheiro de querosene, óleo, gasolina. II – O mundo é a região sudeste e roças próximas Desde quando nasceu Rodrigo olhava pela janela do quarto do pai, o portão fechado de cima embaixo com chapas grossas de zinco. Mais grossas ainda eram as camadas de tinta, ora azul, ora verde, que contrastavam com o muro nem tão alto, nem tão autoritário assim geralmente bege. Por ele Rodrigo subia na acácia amarela, até o dia em que tacando bagas de semente da reluzente espécie em fim de tarde num fusca, foi obrigado a parar de aventurar-se por aquela que foi seu cais em meio ao mar de rua, pessoas e veículos. Quebrara a calha do automóvel que impedia da chuva molhar o braço esquerdo do motorista. O carcamano saltou do carro, deu conta do prejuízo, e num gesto resolvido voltou ao veículo, terminou a meio-rotatória e acelerou para alcançar o sinal. Infelizmente acertara o alvo com rápida desenvoltura. Na rua dele não passava o ônibus, fato compensado pela avenida que fazia transitar grande parte dos automóveis daquela década de oitenta. Sua casa era fruto de um projeto da cidade, o primeiro, de bairro planejado com residências iguais, terrenos fartos e uma frondosa pedra no morro do Jaburuna no qual avistava embaixo dela uma mata com árvores fortes. As mulheres da idade da sua mãe o surpreendiam com aqueles lenços no cabelo, eram mulheres do lar mesmo. Não dirigia, fazia a comida, e aguardava, seu marido chegar pro almoço; isso era na década de oitenta. Cuidar das plantas sempre foi um dom auto-imposto a elas, como única regalia terapêutica para aquela rotina apertada com cintos e sapatos de puro couro. Época do vinil, fita cassete, cervejas em lata, de aço. A educação dos menores era feita de forma litúrgica, silenciosa e devocional. Tudo alinhavado pelo mercado tímido de produtos. As fraldas eram de pano, e o hipoglós e as papinhas prontas para o almoço eram os únicos mimos que chegavam aos pupilos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Escuta!

A arte de escutar Muitos de nós ao encontrar alguém, um conhecido, como maneira de demonstrar empolgação, fechamos nosso canal de áudio, e partimos para a emissão. Isso ao contrário do que se pensa, gera um bloqueio, à princípio. O cumprimento é essencial, e ouvir em um segundo momento também. Ouvindo, estamos disponíveis, dispostos a encontrar no outro a sintonia que vai levar esse encontro a gerar para nós o espaço de interação em determinado assunto que, sinceramente, estamos interessados em debater. Debater no sentido de aprofundamento. A escuta interna - Como é difícil, como é fácil. Tá aqui dentro da gente, mas como aí sintonizar uma estação no rádio, requer uma afinidade com o nosso 'aparelho’. E para nós ouvirmos, precisamos de silêncio! É aquele momento que 'alone’, percorremos nosso 'quintal’, quase ao anoitecer. Olha que imagem fantástica: aquele espaço que acredito ser só meu, onde de olhos fechados eu posso afirmar onde ficam as rosas da vó e a mangueira no me…

Estética

Os limites entre estética e saúde. Estética e saúde estão certamente há tempo, em uma mesma direção, mas hoje concorrem em sentido O que é visto pode ser cada vez mais alterado, contudo, com uma frequência cada vez maior, o que compromete o interior do corpo humano. Essas são constatações limites, mas que geram o comprometimento da vida, a partir mesmo de pequenas insatisfações, e sequentes correções. Com mais de 30 anos de plásticas no corpo, sobretudo no rosto, enxertos, aplicação de substâncias que alteram a forma do corpo e a utilização de 'peças’ que modificam o funcionamento dos órgãos, a própria cultura de mulheres mais que de homens já se modificou a tal ponto que alteraram também a forma como os adultos abordam esteticamente a criança. Basta observar a publicidade, os brinquedos, a orientação dos desejos. Na busca por autonomia de vida, domínio da forma e, do crescimento social acelerado, sobretudo artistas, espelham iniciativas que artificialismo as mulheres - como máxi…

Manejar

Apego a dor Todos nós temos facilidade em amar. Não é assim.Temos disponibilidade em nos apegar. Talvez sim. As guerras que vive o soldado, sobretudo as externas, pois essas serão nosso foco, tem um poder paradoxal. Elas nos desgastam e também tem o poder de nos embevecer.. Sofremos pelo excesso de sinceridade conosco São guerras pesadas, em vezes muito sérias, tanto pelo estrago que podem causar, mas também pelo apego ao que nós podemos ser lançados. Existem situações em que não devemos entrar, seja pela gravidade, por que estamos no limite, e assim sendo, são péssimas escolhas. Saber escolher o inimigo é uma arte, já disse Frejat, em um música, “...sou eu que escolho e faço os meus inimigos. .”. Essa máxima vale para os dois lados do 'front’, e guerreiro que se presa, usa da compaixão, consigo e com o outro.