Pular para o conteúdo principal

Infância

O livro da besta-fera I – O mundo é um bairro (ou General Lee) - Olha o passarinho! Pronto era ouvir essa frase e remeter meus olhos pra árvore. Desde meu nascimento minhas principais lembranças foram com essa frase dita pela minha mãe, até por que dos três, tive e tenho o maior número de fotos, recordações da minha infância. O olhar atento das vizinhas, que revezavam para tomarem conta de mim, quando não era eu que ia pra casa enorme delas, era recorrente também. Depois o cheiro de churrasco, os jogos do Flamengo, as batidas de carros na avenida, o grito de ‘pega ladrão!’,...não foram poucos, sem falar das viagens, pra Santa Tereza, no interior do Espírito Santo – onde nasci e de onde vos escrevo – para o Rio de janeiro: madrinha e padrinho, para Brasília: tios e prima, foi assim minha infância até os dez anos. Fim do primeiro ciclo, aquele em que não se deve fazer nada a não ser observar atento os detalhes do piso, azulejos, os pêlos do primeiro cão, a roupa da empregada, caminhão de lixo, pé de pitanga, codornas, o cheiro de querosene, óleo, gasolina. II – O mundo é a região sudeste e roças próximas Desde quando nasceu Rodrigo olhava pela janela do quarto do pai, o portão fechado de cima embaixo com chapas grossas de zinco. Mais grossas ainda eram as camadas de tinta, ora azul, ora verde, que contrastavam com o muro nem tão alto, nem tão autoritário assim geralmente bege. Por ele Rodrigo subia na acácia amarela, até o dia em que tacando bagas de semente da reluzente espécie em fim de tarde num fusca, foi obrigado a parar de aventurar-se por aquela que foi seu cais em meio ao mar de rua, pessoas e veículos. Quebrara a calha do automóvel que impedia da chuva molhar o braço esquerdo do motorista. O carcamano saltou do carro, deu conta do prejuízo, e num gesto resolvido voltou ao veículo, terminou a meio-rotatória e acelerou para alcançar o sinal. Infelizmente acertara o alvo com rápida desenvoltura. Na rua dele não passava o ônibus, fato compensado pela avenida que fazia transitar grande parte dos automóveis daquela década de oitenta. Sua casa era fruto de um projeto da cidade, o primeiro, de bairro planejado com residências iguais, terrenos fartos e uma frondosa pedra no morro do Jaburuna no qual avistava embaixo dela uma mata com árvores fortes. As mulheres da idade da sua mãe o surpreendiam com aqueles lenços no cabelo, eram mulheres do lar mesmo. Não dirigia, fazia a comida, e aguardava, seu marido chegar pro almoço; isso era na década de oitenta. Cuidar das plantas sempre foi um dom auto-imposto a elas, como única regalia terapêutica para aquela rotina apertada com cintos e sapatos de puro couro. Época do vinil, fita cassete, cervejas em lata, de aço. A educação dos menores era feita de forma litúrgica, silenciosa e devocional. Tudo alinhavado pelo mercado tímido de produtos. As fraldas eram de pano, e o hipoglós e as papinhas prontas para o almoço eram os únicos mimos que chegavam aos pupilos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nu

Viver é estar nu no inferno. Estrela solitária. Aqui a doença da alma chega de uma forma direta.Não existe código de ética, e isso é o inferno. Quantas vezes reclamaste por haver muitas regras, muito silêncio? Pois aqui, vale tudo. De onde vem as regras? Da violência, da falta de respeito? Imagino que sim. Talvez também da falta de coerência em sermos um país. Aqui a violência da separação nos une, aqui o indivíduo prevalece sobre o coletivo, a partir da idade, da raça, do gênero; nunca somos. Nunca somos humanos, aqui ninguém tem vez, a não ser no caso de você ser um velho, um negro, ou uma mulher. Talvez um transexual. Separam-nos para comandar esse presépio. Imagina que muito além de golpe, de corrupção financeira, existe uma estratégia para perdurar: a estratégia do domínio sobre uma massa que coitada, tem intelecto, mas muito problema também. Aí inventam separar-nos para assim pleitearmos direitos, mas dessa forma sem que percebamos deixamos de ser país. Os valores que perpetuam …

Enxergar além da trincheira.

Se tem uma coerência no discurso do 'boss', o que é de uma distância entre a palavra é o real, é que ele não foi vítima de pilantras, ele foi sim, desinformado sobre a movimentação financeira de suas campanhas e de sua sucessora. Ele também, embevecido por sua humildade peculiar, não iria jamais roubar um apartamento inteiro. As pálpebras impediam, depois de certo tempo, se enxergar as reais quantias que corriam nos rios a sua volta. Sem mais. A verdade pode ser está. Lula não teria tempo e capacidade intelectual, ou teria, de gerenciamento doseu partido. Por outro lado ele apareceu para essa nova safra de advogados, economistas, e gerentes do partido, como uma lebre de ouro ou algo parecido pelo seu valor incalculável que mesmo as crises, não desvaloriza, com o perdão da palavra. Talvez o único próximo a ele que teria a 'maledicência' do capitalismo predatório seria seu filho, coisa comum aos filhos dessa geração do Gerson, Garrincha e Pelé, aliás, este também punido…

Sem dar nome aos bois

Nada tão real hoje quanto a ideia de que um filho pode prejudicar a trajetória do pai. Acha conservador? Tudo bem, a reputação do pai certamente influenciou no fiho. Donald Trump está em maus lençóis nos EUA, por tentar por 'panos-quentes' na relação com a Rússia. Ontem o congresso americano votou sanções contra a Rússia, o Irá e a Coréia do Norte, seus maiores desafetos declarados, muito por esses países desenvolverem energia atômica para fins militares. A Rússia, principal potência da ex-URSS, inimiga antagônicas por sistema e cultura dos EUA, tem contra si a acusação de ter influenciado politicamente nas eleições americanas. O fato é que foi a partir do filho do presidente americano que o grande boato se deu, quando em suas relações empresariais burguesas, o filho recebeu uma proposta de um produtor musical russo, de aceitar um documento que denegrir a imagem de Hillary Clinton. É a tal falada questão dos e-mails, que agora o Trump tenta sensatamente ponderar com o congres…