Pular para o conteúdo principal

Anciã

Olho ao lado e uma mulher mira do parapeito uma passagem de moradores desse condomínio. Sempre que ela aparece fica assim, com as mãos juntas apoiada no parapeito com acabamento em granito, e vestindo um leve vestido. Olha pra baixo e às vezes parece enxergar ao redor – mimetizada por sua aparência e idade. Do alto dos seus quase noventa anos, imagino, ela deve ter os conceitos abertos. O amor pra ela deve ter uma definição ampla. Casa também, família talvez. Como na beira de um precipício, ela deve olhar o mundo com olhos leves, como um carro que desce a ladeira ‘na banguela’, deve estar em contato com seu deus, deve fazer preces, ela deve mesmo acordar e dormir rindo, como quem já está no ‘bonus track’. Talvez não, certamente pra ela o mais importante é aquilo que ela é; não o que possui, carrega em seu alforje. Uma mulher que do alto dos quase 100 anos mira em seus bens materiais, tem uma relação frívola com a vida, não? Aí vamos descendo essa faixa etária e vemos que na verdade não temos esse ‘direito’ de sermos vulgares com nosso tempo, nosso núcleo, nosso habitat. A ansiedade é neutralizada quando percebemos que o que temos nas mãos é o nosso tempo e ele nos permite perceber que todo ato que fazemos merece ter seu tempo próprio, que devemos fazer o necessário pra viver, o que se relaciona com nossa sobrevivência, mas também devemos preservar nossa mística, nossa relação com o outro, nosso amor, nosso respeito para com o mistério. Esse tempo pode funcionar como um contraponto na modernidade, como se nos impuséssemos um silêncio, um momento de leitura, um momento de olhar os que estão em volta de nossa cave, sem a espera pelo tocar do telefone, contra as idiossincrasias do consumo, como se nos impuséssemos quase um século, e assim, pudéssemos ver o que realmente é visível ao espírito. Por hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Escuta!

A arte de escutar Muitos de nós ao encontrar alguém, um conhecido, como maneira de demonstrar empolgação, fechamos nosso canal de áudio, e partimos para a emissão. Isso ao contrário do que se pensa, gera um bloqueio, à princípio. O cumprimento é essencial, e ouvir em um segundo momento também. Ouvindo, estamos disponíveis, dispostos a encontrar no outro a sintonia que vai levar esse encontro a gerar para nós o espaço de interação em determinado assunto que, sinceramente, estamos interessados em debater. Debater no sentido de aprofundamento. A escuta interna - Como é difícil, como é fácil. Tá aqui dentro da gente, mas como aí sintonizar uma estação no rádio, requer uma afinidade com o nosso 'aparelho’. E para nós ouvirmos, precisamos de silêncio! É aquele momento que 'alone’, percorremos nosso 'quintal’, quase ao anoitecer. Olha que imagem fantástica: aquele espaço que acredito ser só meu, onde de olhos fechados eu posso afirmar onde ficam as rosas da vó e a mangueira no me…

Estética

Os limites entre estética e saúde. Estética e saúde estão certamente há tempo, em uma mesma direção, mas hoje concorrem em sentido O que é visto pode ser cada vez mais alterado, contudo, com uma frequência cada vez maior, o que compromete o interior do corpo humano. Essas são constatações limites, mas que geram o comprometimento da vida, a partir mesmo de pequenas insatisfações, e sequentes correções. Com mais de 30 anos de plásticas no corpo, sobretudo no rosto, enxertos, aplicação de substâncias que alteram a forma do corpo e a utilização de 'peças’ que modificam o funcionamento dos órgãos, a própria cultura de mulheres mais que de homens já se modificou a tal ponto que alteraram também a forma como os adultos abordam esteticamente a criança. Basta observar a publicidade, os brinquedos, a orientação dos desejos. Na busca por autonomia de vida, domínio da forma e, do crescimento social acelerado, sobretudo artistas, espelham iniciativas que artificialismo as mulheres - como máxi…

Manejar

Apego a dor Todos nós temos facilidade em amar. Não é assim.Temos disponibilidade em nos apegar. Talvez sim. As guerras que vive o soldado, sobretudo as externas, pois essas serão nosso foco, tem um poder paradoxal. Elas nos desgastam e também tem o poder de nos embevecer.. Sofremos pelo excesso de sinceridade conosco São guerras pesadas, em vezes muito sérias, tanto pelo estrago que podem causar, mas também pelo apego ao que nós podemos ser lançados. Existem situações em que não devemos entrar, seja pela gravidade, por que estamos no limite, e assim sendo, são péssimas escolhas. Saber escolher o inimigo é uma arte, já disse Frejat, em um música, “...sou eu que escolho e faço os meus inimigos. .”. Essa máxima vale para os dois lados do 'front’, e guerreiro que se presa, usa da compaixão, consigo e com o outro.