Pular para o conteúdo principal

O falso visitante

Sinônimo: economia predatória, exploração, imigração. _ Não precisa fazer nada, esses nativos são bem educados, eles farão tudo pra você. Não diga nada, apenas ‘aproveite’. Entre os imigrantes que aqui chegaram e chegam até hoje, desde os italianos e alemães, no fim do século dezenove, até os que partem do Rio de Janeiro hoje, em busca de emprego no Espírito Santo, olham esses campos de duas formas: uma como um campo de benfeitoria. Diferente da exploração, na benfeitoria você agrega sua mão-de-obra ao espaço local para que ali haja progresso, com a possibilidade de que seja de forma sustentável. Por exemplo, contrário, quando uma área é invadida por garimpeiros em busca de ouro, de forma violenta e desordenada, isso não é um ato de progresso consciente. A outra forma é quando se percebe essa terra, mesmo que ‘crua’, ou com a infra-estrutura já instalada como possibilidade de evolução pessoal, e assim, vai-se fazendo uso da educação local, para uma atividade predatória. No caso da imigração de africanos para uso escravo em terras brasileiras, há de se diferenciar para qual tipo de situação à que vieram. Vieram para trabalhar para outrora imigrantes, portugueses e mais recentemente italianos também, mas já em um processo, ‘diluído’, que mercantilizaram a relação com o espaço e com a mão-de-obra. Hoje, é inegável, a quantidade de ‘imigrantes’ de outros Estados, sobretudo cariocas, mineiros, baianos e até paulistas, que partem de suas terras para povoar o Espírito santo. Com uma formação profissional adequada para o mercado local, geralmente relacionam-se com o comércio mesmo e até com o beneficiamento do minério de ferro, através de inúmeras indústrias de beneficiamento do mineral, que fornecem capacitação similar a exigida nas empresas daqui, como a Vale e a Samarco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Escuta!

A arte de escutar Muitos de nós ao encontrar alguém, um conhecido, como maneira de demonstrar empolgação, fechamos nosso canal de áudio, e partimos para a emissão. Isso ao contrário do que se pensa, gera um bloqueio, à princípio. O cumprimento é essencial, e ouvir em um segundo momento também. Ouvindo, estamos disponíveis, dispostos a encontrar no outro a sintonia que vai levar esse encontro a gerar para nós o espaço de interação em determinado assunto que, sinceramente, estamos interessados em debater. Debater no sentido de aprofundamento. A escuta interna - Como é difícil, como é fácil. Tá aqui dentro da gente, mas como aí sintonizar uma estação no rádio, requer uma afinidade com o nosso 'aparelho’. E para nós ouvirmos, precisamos de silêncio! É aquele momento que 'alone’, percorremos nosso 'quintal’, quase ao anoitecer. Olha que imagem fantástica: aquele espaço que acredito ser só meu, onde de olhos fechados eu posso afirmar onde ficam as rosas da vó e a mangueira no me…

Estética

Os limites entre estética e saúde. Estética e saúde estão certamente há tempo, em uma mesma direção, mas hoje concorrem em sentido O que é visto pode ser cada vez mais alterado, contudo, com uma frequência cada vez maior, o que compromete o interior do corpo humano. Essas são constatações limites, mas que geram o comprometimento da vida, a partir mesmo de pequenas insatisfações, e sequentes correções. Com mais de 30 anos de plásticas no corpo, sobretudo no rosto, enxertos, aplicação de substâncias que alteram a forma do corpo e a utilização de 'peças’ que modificam o funcionamento dos órgãos, a própria cultura de mulheres mais que de homens já se modificou a tal ponto que alteraram também a forma como os adultos abordam esteticamente a criança. Basta observar a publicidade, os brinquedos, a orientação dos desejos. Na busca por autonomia de vida, domínio da forma e, do crescimento social acelerado, sobretudo artistas, espelham iniciativas que artificialismo as mulheres - como máxi…

Manejar

Apego a dor Todos nós temos facilidade em amar. Não é assim.Temos disponibilidade em nos apegar. Talvez sim. As guerras que vive o soldado, sobretudo as externas, pois essas serão nosso foco, tem um poder paradoxal. Elas nos desgastam e também tem o poder de nos embevecer.. Sofremos pelo excesso de sinceridade conosco São guerras pesadas, em vezes muito sérias, tanto pelo estrago que podem causar, mas também pelo apego ao que nós podemos ser lançados. Existem situações em que não devemos entrar, seja pela gravidade, por que estamos no limite, e assim sendo, são péssimas escolhas. Saber escolher o inimigo é uma arte, já disse Frejat, em um música, “...sou eu que escolho e faço os meus inimigos. .”. Essa máxima vale para os dois lados do 'front’, e guerreiro que se presa, usa da compaixão, consigo e com o outro.