Pular para o conteúdo principal

Maestria

Quando eu vinha caminhando pelo condomínio encontrei um cachorro que não tinha coleira nem dono. Conduzia seu rabo com total maestria. Foi um alívio, pois cachorros com donos são muito limitados, a fora alguns que não respeitam donos. Também via as mulheres que limpam o corredor nas segundas e quintas, com maestria parecida com a do rabo do cachorro. Minhas plantas também tinham maestria. A poeira em sua dança também tinha uma maestria oculta em sua vagabunda volta. E de repente descubro que meus movimentos são movimentos maestros, com força de exatidão e com a pretensa tal maestria, que a cada vez que mudava algo de lugar, deixaria os objetos de forma cada vez mais perfeita até que passava por um ‘passo a frente’. Era a conclusão da atividade. Isso, maestria é um conjunto de passos dados até um ponto em que a criação deve estar pronta. E só quem se permite criar pode experimentar tal feito. Jamais largaria então essa idéia, mesmo que mais tarde ela possa se tornar moribunda, aliás, as idéias morrem, viram cadáver, e podem ser sepultadas? Creio que não. Elas devem ficar em um hipertexto, em um link qualquer. Mas moribunda no sentido daquela que segue pra morte, sem medo, mesmo não morrendo. Por outro lado, ouvira uma vez, que, ‘daqui ninguém sai vivo’. Afinal a morte deve ser aceita como um tratado estético, com esse ponto de exatidão, pautado em uma marca d’água pela arte, apenas por ela, a quem se permitir mesmo nos casos rotineiros, de se fazer os mesmos percursos. O tempo é seu papel, e não jamais, a necessidade. No seu poder máximo, a arte, o ato em si é comparável a coragem de andar a esmo, aventurar-se em uma empreitada, sem o receio de perder, sem o receio de dar errado. A vontade não deve ser nunca desperdiçada. O Sol é uma luz que todos os dias mostra, mas nem por isso deve ser negligenciado, talvez em caso apenas de estratégia. A verdade é construída a cada momento e a cada dia. Todo serviço deve ser feito com esmero, isso me disse um amigo. As coisas possuem seu valor a partir de quem as têm. Assim, o que é pouco pra um pode ser o ideal pra outro. O cachorro que anda por aí não espera perder nada, apenas pensa, acredito, em achar um osso, mesmo que esmagado por um caminhão, no meio do asfalto velho. Assim segue a vida de cães e homens. Se a cada momento de alguém pode ele renascer, estamos a todo momento, renascendo, pra algo que pode ser o suficientemente diferente. Olho para aquele amigo que já esteve mal e hoje está melhor, bem melhor, e vejo como fui preconceituoso frente a sua pessoa, sendo que hoje é ele que me ensina a ser alguém melhor, pela nova chance. A solidão nos faz pensar que somos seres animais, animal. Prefiro agora ser este que olho sobre o que parece ser uma chaminé. Diferente dos bem-te-vis, o pombo é menos higiênico, ou então mais despojado, pois suas patas são maiores. Assim eles, os pombos, não conseguem equilibrarem-se em fios finos, fios de telefone, antenas de alumínio. Gostam mesmo é de bases sólidas, cimentos, mesmo que molhados. Sou um pombo, só. Ele me olha antes de eu percebê-lo, e por isso me veio essa idéia de que filosofar é estar só, para poder dar tempo a si, pra perceber onde começamos e a partir de que fazemos ligação com o mundo. Mas também faz com que voemos, nos sintamos maiores que pessoas enjauladas em carros, casas, protejidos e presos. Casas e carros são por princípio proteção e locomoção. E assim, não temos necessidade de ficarmos todo tempo protegidos e nos movendo ordenados. Somos pássaros também, podemos aqui estar e por uma mera frivolidade voar e seguir pra outro filosofar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Escuta!

A arte de escutar Muitos de nós ao encontrar alguém, um conhecido, como maneira de demonstrar empolgação, fechamos nosso canal de áudio, e partimos para a emissão. Isso ao contrário do que se pensa, gera um bloqueio, à princípio. O cumprimento é essencial, e ouvir em um segundo momento também. Ouvindo, estamos disponíveis, dispostos a encontrar no outro a sintonia que vai levar esse encontro a gerar para nós o espaço de interação em determinado assunto que, sinceramente, estamos interessados em debater. Debater no sentido de aprofundamento. A escuta interna - Como é difícil, como é fácil. Tá aqui dentro da gente, mas como aí sintonizar uma estação no rádio, requer uma afinidade com o nosso 'aparelho’. E para nós ouvirmos, precisamos de silêncio! É aquele momento que 'alone’, percorremos nosso 'quintal’, quase ao anoitecer. Olha que imagem fantástica: aquele espaço que acredito ser só meu, onde de olhos fechados eu posso afirmar onde ficam as rosas da vó e a mangueira no me…

Estética

Os limites entre estética e saúde. Estética e saúde estão certamente há tempo, em uma mesma direção, mas hoje concorrem em sentido O que é visto pode ser cada vez mais alterado, contudo, com uma frequência cada vez maior, o que compromete o interior do corpo humano. Essas são constatações limites, mas que geram o comprometimento da vida, a partir mesmo de pequenas insatisfações, e sequentes correções. Com mais de 30 anos de plásticas no corpo, sobretudo no rosto, enxertos, aplicação de substâncias que alteram a forma do corpo e a utilização de 'peças’ que modificam o funcionamento dos órgãos, a própria cultura de mulheres mais que de homens já se modificou a tal ponto que alteraram também a forma como os adultos abordam esteticamente a criança. Basta observar a publicidade, os brinquedos, a orientação dos desejos. Na busca por autonomia de vida, domínio da forma e, do crescimento social acelerado, sobretudo artistas, espelham iniciativas que artificialismo as mulheres - como máxi…

Manejar

Apego a dor Todos nós temos facilidade em amar. Não é assim.Temos disponibilidade em nos apegar. Talvez sim. As guerras que vive o soldado, sobretudo as externas, pois essas serão nosso foco, tem um poder paradoxal. Elas nos desgastam e também tem o poder de nos embevecer.. Sofremos pelo excesso de sinceridade conosco São guerras pesadas, em vezes muito sérias, tanto pelo estrago que podem causar, mas também pelo apego ao que nós podemos ser lançados. Existem situações em que não devemos entrar, seja pela gravidade, por que estamos no limite, e assim sendo, são péssimas escolhas. Saber escolher o inimigo é uma arte, já disse Frejat, em um música, “...sou eu que escolho e faço os meus inimigos. .”. Essa máxima vale para os dois lados do 'front’, e guerreiro que se presa, usa da compaixão, consigo e com o outro.