Pular para o conteúdo principal

Futebol de época

Estamos em 2016, e como tenho mais de 40 anos, dá pra ter uma idéia de quando comecei a acompanhar a tradição futebolística do nosso país. Vivi intensamente a Copa do Mundo de 1982 e a fase áurea do Flamengo. Não dava muita atenção a bola, que era preta e branca nesta época. Lembro dos inúmeros placares que o Flamengo aplicava sobre o Bangu e o América, nos idos de 80 do Campeonato Estadual. Também lembro dos chutes indefensáveis para os goleiros de Roberto Dinamite e seu futebol 'navalha'. Tudo bem que ele tinha bons companheiros os quais não lembro (sinc!), mas pretendo me informar., com todo respeito. Aliás meu amigo e vizinho de muro na infância tinha um pai que além de ser delegado era vascaíno, por aí dá pra ter uma idéia. Será que o Vasco é um time tradicionalmente de policiais civis? Fica a indagação. Podía dividir os torcedores do meu bairro de infância entre os grandes do Rio, tendo mais representantes para o Flamengo e o Vasco, com Fluminense e Botafogo logo atrás. Era época de futebol de campo mesmo. Parece redundante, mas, o estilo futebol de salão como viríamos a ver em Romário e Bebeto em suas tabelas dentro da pequena área eram mais esporádicas. Haviam mais chutes de fora da grande área, vide Éder do Atlético Mineiro e Zico do Flamengo, época que parece ter se encerrado com Josimar pela seleção brasileira. Joelho e canela eram 'recursos baratos' (sinc!)! Baratos, renováveis na medida do possível e compunham a parte mais trágica dos jogadores, fora a relação deles com o samba, a bebida e o cigarro. Garrincha quando jogou a Copa no Maracanã, acho que contra o Uruguai, saiu na parte trazeira de uma Willis, daquelas usadas pelo exército, fumando um belo cigarro. Foi uma época em que aos olhares poéticos parecia ser necessário ao jogador gostar de samba, de preferência Roberto Ribeiro, estilo "está faltando uma coisa em mim, e é você amor, tenho certeza sim...", ao contrário do início do século XX, quando futebol veio associado a 'produzir e não curtir', enfim.... O samba tornou-se algo quase marginal, sem glamour, e já havia sido de 'lugares ermos', bastava ver nas revistas e ouvir nos rádios a vida entre o gueto e as traves.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Escuta!

A arte de escutar Muitos de nós ao encontrar alguém, um conhecido, como maneira de demonstrar empolgação, fechamos nosso canal de áudio, e partimos para a emissão. Isso ao contrário do que se pensa, gera um bloqueio, à princípio. O cumprimento é essencial, e ouvir em um segundo momento também. Ouvindo, estamos disponíveis, dispostos a encontrar no outro a sintonia que vai levar esse encontro a gerar para nós o espaço de interação em determinado assunto que, sinceramente, estamos interessados em debater. Debater no sentido de aprofundamento. A escuta interna - Como é difícil, como é fácil. Tá aqui dentro da gente, mas como aí sintonizar uma estação no rádio, requer uma afinidade com o nosso 'aparelho’. E para nós ouvirmos, precisamos de silêncio! É aquele momento que 'alone’, percorremos nosso 'quintal’, quase ao anoitecer. Olha que imagem fantástica: aquele espaço que acredito ser só meu, onde de olhos fechados eu posso afirmar onde ficam as rosas da vó e a mangueira no me…

Estética

Os limites entre estética e saúde. Estética e saúde estão certamente há tempo, em uma mesma direção, mas hoje concorrem em sentido O que é visto pode ser cada vez mais alterado, contudo, com uma frequência cada vez maior, o que compromete o interior do corpo humano. Essas são constatações limites, mas que geram o comprometimento da vida, a partir mesmo de pequenas insatisfações, e sequentes correções. Com mais de 30 anos de plásticas no corpo, sobretudo no rosto, enxertos, aplicação de substâncias que alteram a forma do corpo e a utilização de 'peças’ que modificam o funcionamento dos órgãos, a própria cultura de mulheres mais que de homens já se modificou a tal ponto que alteraram também a forma como os adultos abordam esteticamente a criança. Basta observar a publicidade, os brinquedos, a orientação dos desejos. Na busca por autonomia de vida, domínio da forma e, do crescimento social acelerado, sobretudo artistas, espelham iniciativas que artificialismo as mulheres - como máxi…

Manejar

Apego a dor Todos nós temos facilidade em amar. Não é assim.Temos disponibilidade em nos apegar. Talvez sim. As guerras que vive o soldado, sobretudo as externas, pois essas serão nosso foco, tem um poder paradoxal. Elas nos desgastam e também tem o poder de nos embevecer.. Sofremos pelo excesso de sinceridade conosco São guerras pesadas, em vezes muito sérias, tanto pelo estrago que podem causar, mas também pelo apego ao que nós podemos ser lançados. Existem situações em que não devemos entrar, seja pela gravidade, por que estamos no limite, e assim sendo, são péssimas escolhas. Saber escolher o inimigo é uma arte, já disse Frejat, em um música, “...sou eu que escolho e faço os meus inimigos. .”. Essa máxima vale para os dois lados do 'front’, e guerreiro que se presa, usa da compaixão, consigo e com o outro.