Pular para o conteúdo principal

Futebol de época

Estamos em 2016, e como tenho mais de 40 anos, dá pra ter uma idéia de quando comecei a acompanhar a tradição futebolística do nosso país. Vivi intensamente a Copa do Mundo de 1982 e a fase áurea do Flamengo. Não dava muita atenção a bola, que era preta e branca nesta época. Lembro dos inúmeros placares que o Flamengo aplicava sobre o Bangu e o América, nos idos de 80 do Campeonato Estadual. Também lembro dos chutes indefensáveis para os goleiros de Roberto Dinamite e seu futebol 'navalha'. Tudo bem que ele tinha bons companheiros os quais não lembro (sinc!), mas pretendo me informar., com todo respeito. Aliás meu amigo e vizinho de muro na infância tinha um pai que além de ser delegado era vascaíno, por aí dá pra ter uma idéia. Será que o Vasco é um time tradicionalmente de policiais civis? Fica a indagação. Podía dividir os torcedores do meu bairro de infância entre os grandes do Rio, tendo mais representantes para o Flamengo e o Vasco, com Fluminense e Botafogo logo atrás. Era época de futebol de campo mesmo. Parece redundante, mas, o estilo futebol de salão como viríamos a ver em Romário e Bebeto em suas tabelas dentro da pequena área eram mais esporádicas. Haviam mais chutes de fora da grande área, vide Éder do Atlético Mineiro e Zico do Flamengo, época que parece ter se encerrado com Josimar pela seleção brasileira. Joelho e canela eram 'recursos baratos' (sinc!)! Baratos, renováveis na medida do possível e compunham a parte mais trágica dos jogadores, fora a relação deles com o samba, a bebida e o cigarro. Garrincha quando jogou a Copa no Maracanã, acho que contra o Uruguai, saiu na parte trazeira de uma Willis, daquelas usadas pelo exército, fumando um belo cigarro. Foi uma época em que aos olhares poéticos parecia ser necessário ao jogador gostar de samba, de preferência Roberto Ribeiro, estilo "está faltando uma coisa em mim, e é você amor, tenho certeza sim...", ao contrário do início do século XX, quando futebol veio associado a 'produzir e não curtir', enfim.... O samba tornou-se algo quase marginal, sem glamour, e já havia sido de 'lugares ermos', bastava ver nas revistas e ouvir nos rádios a vida entre o gueto e as traves.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Nu

Viver é estar nu no inferno. Estrela solitária. Aqui a doença da alma chega de uma forma direta.Não existe código de ética, e isso é o inferno. Quantas vezes reclamaste por haver muitas regras, muito silêncio? Pois aqui, vale tudo. De onde vem as regras? Da violência, da falta de respeito? Imagino que sim. Talvez também da falta de coerência em sermos um país. Aqui a violência da separação nos une, aqui o indivíduo prevalece sobre o coletivo, a partir da idade, da raça, do gênero; nunca somos. Nunca somos humanos, aqui ninguém tem vez, a não ser no caso de você ser um velho, um negro, ou uma mulher. Talvez um transexual. Separam-nos para comandar esse presépio. Imagina que muito além de golpe, de corrupção financeira, existe uma estratégia para perdurar: a estratégia do domínio sobre uma massa que coitada, tem intelecto, mas muito problema também. Aí inventam separar-nos para assim pleitearmos direitos, mas dessa forma sem que percebamos deixamos de ser país. Os valores que perpetuam …

Enxergar além da trincheira.

Se tem uma coerência no discurso do 'boss', o que é de uma distância entre a palavra é o real, é que ele não foi vítima de pilantras, ele foi sim, desinformado sobre a movimentação financeira de suas campanhas e de sua sucessora. Ele também, embevecido por sua humildade peculiar, não iria jamais roubar um apartamento inteiro. As pálpebras impediam, depois de certo tempo, se enxergar as reais quantias que corriam nos rios a sua volta. Sem mais. A verdade pode ser está. Lula não teria tempo e capacidade intelectual, ou teria, de gerenciamento doseu partido. Por outro lado ele apareceu para essa nova safra de advogados, economistas, e gerentes do partido, como uma lebre de ouro ou algo parecido pelo seu valor incalculável que mesmo as crises, não desvaloriza, com o perdão da palavra. Talvez o único próximo a ele que teria a 'maledicência' do capitalismo predatório seria seu filho, coisa comum aos filhos dessa geração do Gerson, Garrincha e Pelé, aliás, este também punido…

Sem dar nome aos bois

Nada tão real hoje quanto a ideia de que um filho pode prejudicar a trajetória do pai. Acha conservador? Tudo bem, a reputação do pai certamente influenciou no fiho. Donald Trump está em maus lençóis nos EUA, por tentar por 'panos-quentes' na relação com a Rússia. Ontem o congresso americano votou sanções contra a Rússia, o Irá e a Coréia do Norte, seus maiores desafetos declarados, muito por esses países desenvolverem energia atômica para fins militares. A Rússia, principal potência da ex-URSS, inimiga antagônicas por sistema e cultura dos EUA, tem contra si a acusação de ter influenciado politicamente nas eleições americanas. O fato é que foi a partir do filho do presidente americano que o grande boato se deu, quando em suas relações empresariais burguesas, o filho recebeu uma proposta de um produtor musical russo, de aceitar um documento que denegrir a imagem de Hillary Clinton. É a tal falada questão dos e-mails, que agora o Trump tenta sensatamente ponderar com o congres…