Pular para o conteúdo principal

La selvita

Precoce julgamento ou a ausência política Quando vejo esse debate sem fim sobre o executivo, no fundo o que mais me admira é a capacidade jurídica de argumentar a favor ou contra uma parte ou outra. É impressionante o lado plausível de certos conceitos criados por renomados juristas e acabo por compará-los a jornalistas com grande poder de persuasão quando produzem opinião de forma corajosamente parcial. Podemos acreditar que houve crime de responsabilidade de forma dolosa (olha eu arriscando!) ou podemos chegar a lembrar da ditadura, para quem a estuda na superfície, sabe que ela chegou suavemente. Depois de passar pela Câmara dos Deputados de forma desastrosa, como foi noticiado ineditamente nos meios de comunicação, estamos no Senado e agora se conhece através de especialistas convidados, um lado mais sofisticado da argumentação, quando defesa e acusação - respectivamente aliados e o partido liderado hoje pelo partido do vice-presidente, - tentam arrebanhar e garantir a votação no dia 11 de junho, para decidir se a presidenta será ou não impedida. Sinto falta de um jornalismo assim, mais rico e contundente, com menos gritos e bravatas, menos gírias e onomatopéias, informando e educando uma população que precisa antes de julgar, conhecer os fatos para então questionar o valor de um julgamento precoce. Mesmo estando em meio à selva, cada bicho tem seu olhar, sua defesa e seus argumentos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Escuta!

A arte de escutar Muitos de nós ao encontrar alguém, um conhecido, como maneira de demonstrar empolgação, fechamos nosso canal de áudio, e partimos para a emissão. Isso ao contrário do que se pensa, gera um bloqueio, à princípio. O cumprimento é essencial, e ouvir em um segundo momento também. Ouvindo, estamos disponíveis, dispostos a encontrar no outro a sintonia que vai levar esse encontro a gerar para nós o espaço de interação em determinado assunto que, sinceramente, estamos interessados em debater. Debater no sentido de aprofundamento. A escuta interna - Como é difícil, como é fácil. Tá aqui dentro da gente, mas como aí sintonizar uma estação no rádio, requer uma afinidade com o nosso 'aparelho’. E para nós ouvirmos, precisamos de silêncio! É aquele momento que 'alone’, percorremos nosso 'quintal’, quase ao anoitecer. Olha que imagem fantástica: aquele espaço que acredito ser só meu, onde de olhos fechados eu posso afirmar onde ficam as rosas da vó e a mangueira no me…

Estética

Os limites entre estética e saúde. Estética e saúde estão certamente há tempo, em uma mesma direção, mas hoje concorrem em sentido O que é visto pode ser cada vez mais alterado, contudo, com uma frequência cada vez maior, o que compromete o interior do corpo humano. Essas são constatações limites, mas que geram o comprometimento da vida, a partir mesmo de pequenas insatisfações, e sequentes correções. Com mais de 30 anos de plásticas no corpo, sobretudo no rosto, enxertos, aplicação de substâncias que alteram a forma do corpo e a utilização de 'peças’ que modificam o funcionamento dos órgãos, a própria cultura de mulheres mais que de homens já se modificou a tal ponto que alteraram também a forma como os adultos abordam esteticamente a criança. Basta observar a publicidade, os brinquedos, a orientação dos desejos. Na busca por autonomia de vida, domínio da forma e, do crescimento social acelerado, sobretudo artistas, espelham iniciativas que artificialismo as mulheres - como máxi…

Manejar

Apego a dor Todos nós temos facilidade em amar. Não é assim.Temos disponibilidade em nos apegar. Talvez sim. As guerras que vive o soldado, sobretudo as externas, pois essas serão nosso foco, tem um poder paradoxal. Elas nos desgastam e também tem o poder de nos embevecer.. Sofremos pelo excesso de sinceridade conosco São guerras pesadas, em vezes muito sérias, tanto pelo estrago que podem causar, mas também pelo apego ao que nós podemos ser lançados. Existem situações em que não devemos entrar, seja pela gravidade, por que estamos no limite, e assim sendo, são péssimas escolhas. Saber escolher o inimigo é uma arte, já disse Frejat, em um música, “...sou eu que escolho e faço os meus inimigos. .”. Essa máxima vale para os dois lados do 'front’, e guerreiro que se presa, usa da compaixão, consigo e com o outro.